quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

...
Parou por instantes sôfregos e respirou fundo.
Olhou-me, com olhar de não estar saciada.
Confesso que sabia-me bem o seu clitóris grosso e rijo.
Olhou o meu tesão e imaginei chegada a minha vez.
- Esse teu tesão deixou-me toda excitada, de novo.
- Vá latagão, abocanha-me a minha coninha húmida.
Simplesmente acatei o seu comando e...


terça-feira, 15 de outubro de 2019


Ginástica de mobilidade, prevenção para dias que chegarão.
Chego sempre muito cedo, evitando o trânsito louco da manhã.
Quase sempre uma colega chega pela mesma altura.
Não somos muito chegados, embora os olhares se cruzem.
Cruzam-se, por vezes, de forma esfomeada e desejosa.
Andamos nisto há algum tempo, até à semana passada.
Estava sentado aguardando e ela sentou-se ao meu lado.
Como nunca aconteceu, fiquei expectante.
Dissemos bom dia e olhamos, olhos nos olhos.
Os olhos pediam, só faltava conseguirmos verbalizar.
Mais ainda, realizar!
Elogiei o seu fato de treino e o quanto realçava o seu corpo.
Sorriu. Senti a sua mão sobre o meu joelho e disse:
- Quer ver-me sem ele?
- Vamos ali para o vestiário e realizamos esta nossa “esfomeação”.
Olhei-a e nada diferente seria de dizer:
- Acho uma ideia fenomenal.
Sabíamos que tínhamos 2 horas folgadas.
Fechamos a porta do vestiário e tudo aconteceu.
Senti as suas mãos pelos meus calções adentro, vorazes.
Beijei-a com avidez, enterrando a minha língua na sua.
Disse:
- Como sei que vamos ter outros dias (risinho), vou pedir eu hoje.
- Quero que me lambas o clitóris, o chupes e o mordisques.
- Quero saber o quanto vales.
- Quero vir-me! 
- Para hoje está bem! Concordas?
Sentei-a no banco do vestiário e arranquei-lhe a roupa com vontades.
Enfim! Foi fabuloso, este começo…



domingo, 18 de junho de 2017

Finalmente sossegava dias difíceis e penosos.
Ainda desconforto mas nada que não comporte.
Quinta-feira e acordei bem teso, tinha voltado.
Dores terríveis avisavam-me para me cuidar.
Fui arrefecer o tesão com água bem fria.
Voltei à cama e fiquei de papo para o ar.
Tinha os testículos bem cheios de não uso.
Sinal positivo de que tudo voltava ao normal.
Dei por mim a desejar vir-me e forte.
Toquei-me, mas não era o que queria.
Queria que o regresso fosse especial.
Liguei a uma amiga colorida dando-lhe notícia.
Noticia das melhoras e do dorido tesão.
Riu-se como lhe é costume, não tardando dizer:
-Diz-me lá, queres que te esvazie os tomates!
Não podia esconder a natureza do telefona.
- Estás livre e aceitas ser cobaia?
Riu-se de novo com malícia:
- Vem cá a casa e verei o que se pode fazer.
Rimos ambos e combinamos, o momento.
Chegado, recebeu-me bem elegante e sábia.
- Ora deixa lá sentir esse teu tesão.
Arrancou-me as calças e os shorts.
- Ui! Está a doer?
-Um pouco, mas desejo demais.
Senti os seus lábios na cabeça dotesão.
Suas mãos nos meus testículos rijos.
Senti a dor e o prazer com igual intensidade.
Engolia meu tesão lambendo, chupando, mordiscando.
Disse-lhe em surdina do prazer:
- Já não aguento mais, vou esporrar.
Olhou-me e disse:
- Vem-te querido, vem-te!
Engoliu-me de novo e engoliu, como só ela sabe.